Quinta-feira, 31 de Agosto de 2006
Sindicatos criticam regime de concurso

Tanto a FNE como a FENPROF apontam defeitos ao processo de colocação, nomeadamente o facto dos contratados serem colocados antes de alguns professores dos quadros.

Os sindicatos da educação manifestam algumas reservas quanto ao regime de colocação de professores. Isto porque, segundo argumentam, há docentes contratados colocados à frente dos docentes afectos a um quadro de zona pedagógica.

A Federação Nacional dos Sindicatos da Educação (FNE) recorreu à palavra "angústia" para ontem, em comunicado publicado no seu site, se referir à existência de "inúmeros professores dos antigos grupos de docência 8.ºA e 8.º B (pertencentes aos quadros) serem ultrapassados por professores contratados nas listas de colocação do concurso docente".

Também a Federação Nacional dos Professores (FENPROF), num balanço após a reunião de segunda-feira no Ministério da Educação (ME), referiu-se ao "aumento inusitado de professores dos quadros de zona pedagógica que não obtiveram colocação nesta fase, em especial no grupo de recrutamento do 1.º ciclo".

As listas de colocação das necessidades residuais foram publicadas no final da passada semana, quinze dias antes do previsto. Ambas as estruturas sindicais apontam defeitos ao processo de concurso e afirmam mesmo que se registaram erros nos grupos de Francês e Português-Francês. A informação foi, no entanto, desmentida pelo secretário Adjunto da Educação, Jorge Pedreira. De acordo com o governante, o facto, de este ano as línguas estarem divididas fez com que mais professores tivessem optado pelo Português.

Entretanto, a Direcção-Geral dos Recursos Humanos da Educação tem já disponível a aplicação informática que permite aos professores apresentarem recurso instruído. Confome fez saber o ME, o prazo para interpor recurso prolonga-se até 31 de Agosto.

retirado de: www.educare.pt

Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 01:17
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Prazo de seis anos para manuais terá de ser reduzido
As novas regras do Ministério da Educação impõem um período de vigência dos manuais escolares de seis anos. APEL considera que o prazo dificilmente será praticável.
De acordo com o novo diploma legal para manuais escolares, publicado ontem em Diário da República, o período de vigência dos livros para os ensinos Básico e Secundário aumenta de quatro para seis anos, podendo, contudo, existir excepções em que o período de tempo seja reduzido, caso "o conhecimento científico evolua" ou "o conteúdo dos programas se revele desfasado".

Vasco Teixeira, da Comissão do Livro Escolar da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), assume que tem "sérias dúvidas" sobre este período de vigência e acredita que a situação de excepção poderá ter de ser aplicada "a um número muito significativo de disciplinas" para fazer face às mudanças constantes da actualidade. Por exemplo, - refere - no caso de Plutão, que deixou de ser considerado um dos planetas principais do sistema solar, nas questões do Médio Oriente e do preço do petróleo ou no provável aumento do número de membros da Comunidade Europeia.

Segundo este responsável, para além dos seis anos de vigência, é necessário acrescentar mais dois para a elaboração dos manuais, o que, na prática, resulta numa "vigência de oito anos, desde que é escrito".

Para além disso, Vasco Teixeira garante que "o aumento da vigência para mais anos não torna os livros mais baratos", porque "a sua manutenção não embaratece a feitura". Eventualmente, só "poderá ser mais rentável para famílias com mais filhos".

No que diz respeito aos preços dos manuais, segundo um estudo apresentado pela APEL, que teve como referência a Convenção de Preços assinada em Abril de 2006, em média, os pais vão gastar num cabaz de livros para o 1.º ciclo 22,5 €, sendo o primeiro ano mais económico (19,62 €) e o quarto o mais dispendioso (25,92 €).

No 2.º ciclo, os gastos rondam os 75,27 € e no 3.º, segundo a APEL, regista-se uma descida para 127,70 €, face aos 128,04 € gastos pelos encarregados de educação no ano lectivo passado.

Feitas as contas, os preços dos manuais para o 1.º ciclo registam um aumento médio de 2,93% e para o segundo de 0,5%, com excepção do 7.º ano, cujos livros sofreram uma descida de 1,84% em relação a 2005.

As novas regras do Ministério da Educação impõem também que todos os livros disponíveis no mercado passem a ser certificados por comissões de avaliação, de forma a evitar possíveis erros. Apesar de o sistema de regulação ainda não ter sido definido, a APEL defende uma auto-regulação do sector para que possa haver melhor controlo dos preços. Segundo Vasco Teixeira, "se o processo for flexível e aligeirado não haverá aumentos muito significativos". Pelo contrário, se o Ministério da Educação definir "um processo muito formalizado", que obrigue à apresentação de um grande número de protótipos de livros e ao pagamento de valores elevados de inscrição no concurso, "os manuais escolares podem vir a registar um aumento de preço a partir do ano lectivo de 2008-2009".

A proposta de auto-regulação da APEL passa por protocolos entre as diferentes editoras e universidades ou instituições científicas, que responsabilizem personalidades de mérito reconhecido (como professores catedráticos) pela análise e acreditação da qualidade dos manuais.

Segundo a APEL, os editores garantem que o atraso no abastecimento do mercado foi quase todo recuperado e que 95% dos livros estarão disponíveis até ao primeiro dia de aulas.

Até ao 9.º ano, o mercado anual dos manuais escolares ronda os 60 milhões de euros e estima-se que, em Portugal, sejam vendidos 10 milhões de livros entre Julho, Agosto e Setembro.
retirado de: www.educare.pt
Estou: nem sei pk me admiro!?!
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 01:10
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Terça-feira, 29 de Agosto de 2006
Programas Livres
Um novo e inovador site em português, de portugueses para todo o mundo [desde que "o resto domundo" saiba ler português] ;)

Tem como objectivo divulgar e familiarizar, mais e mais portugueses, com o linux!
Citando a apresentação:
       "O programalivres pretende ser um repositório de programas livres. "Programas livres"                 refere-se à liberdade dos usuários executarem, copiarem, distribuírem, estudarem,                     modificarem e aperfeiçoarem os programas.
        Nada disso tem a ver com o preço, tudo esta na liberdade. O termo código aberto (ou open         source em inglês) é mais preciso e mais apreciado por alguns mas nós por cá preferimos         a palavra livre.
        Venha aqui  procurar liberdade"
Estou: a evoluir
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 16:22
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Concorrente do ipod
Toshiba é a responsável pelo fabrico do Zune [da Microsoft] dispositivo que pretende concorrer directamente contra o ipod [do Bill Gates]

Esperamos para ver!






Estou: expentante!..
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 16:02
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Segunda-feira, 28 de Agosto de 2006
Genes da longevidade podem atrasar crescimento de células cancerígenas
Mutações genéticas que aumentam esperança de vida parecem estar relacionadas com supressão de crescimento de tumores. Cientistas norte-americanos demonstram resultados em larvas Caenorhabditis elegans.

Existem espécies de animais portadoras de genes capazes de aumentar a esperança de vida como é o caso da pequena larva Caenorhabditis elegans. Mas se os cientistas já conheciam que alguns genes nesta nématode podem aumentar a esperança de vida através de alterações em mecanismos como a sinalização hormonal, o consumo de alimentos ou a respiração, demonstram agora, através de engenharia genética, que algumas mutações genéticas podem também suprimir o desenvolvimento de tumores cancerígenos.

Os surpreendentes resultados publicados na actual edição, 18 de Agosto, da publicação científica Science, abrem portas para novas perspectivas terapêuticas no combate ao cancro, apesar dos mecanismos que estão relacionados com o cancro nas larvas serem muito diferentes daqueles que se verificam nos mamíferos e, nomeadamente, nos humanos.

Os cientistas da Universidade da Califórnia, em São Francisco, nos EUA, modificaram geneticamente em laboratório larvas C. elegans ao desactivarem o gene daf-2, que está relacionado com a regulação da insulina. O objectivo dos especialistas foi tornar as pequenas larvas susceptíveis ao surgimento de cancro, mas verificaram, que ao fazerem-no duplicaram a esperança de vida das mesmas de 17 para 35 dias.

Para além do gene daf-2, que diminui a resistência das larvas ao surgimento de cancro, os cientistas eliminaram também o gene supressor gdl-1, de forma a que as células gonadais formassem linhas germinais tumorais e se dividissem mais rapidamente. Após a desactivação dos dois genes e mesmo na presença do tumor, os especialistas verificaram que a esperança de vida das larvas aumentou e o tumor desenvolveu-se mais lentamente do que o esperado.

«Mutações do gld-1 provocam linhas germinais tumorais letais nas nemátodes Caenorhabditis elegans», escrevem os cientistas na revista científica Science e adiantam que, «nós descobrimos que uma grande variedade de mutações que aumenta a esperança de vida das C. elegans confere resistência a estes tumores».

Das várias mutações relacionadas com a longevidade estudadas, os cientistas indicam que, mesmo na presença do cancro, a esperança de vida não foi afectada. No que se refere à desactivação do daf-2, os especialistas explicam que o facto do tumor se ter desenvolvido mais lentamente não consistiu numa surpresa, já que estudos anteriores em ratos de laboratório tinham indicado que a diminuição dos níveis de insulina atrasam a divisão celular e aumentam a apoptose (morte programada das células) especialmente nas células tumorais.

«As mutações que aumentam a esperança de vida através da restrição do consumo de alimentos ou da inibição de respiração não afectaram a apoptose mas reduziram a divisão das células tumorais», referem os especialista no artigo publicado na Science e adiantam que «inesperadamente, nenhuma destas mutações de longevidade afectou a mitose (divisão de uma células em duas) nas linhas germinais normais. Este resultado sugere que as alterações celulares que levam à longevidade, preferencialmente antagonizam o crescimento das células».

Após os surpreendentes resultados que demonstram a estreita ligação entre os mecanismos que aumentam a esperança de vida e a redução do crescimento de tumores nas larvas C. elegans, os especialistas indicam que o próximo passo é estudar os mesmos mecanismos em vertebrados.
                                  retirado de: www.tvciencia.pt
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 13:37
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Água da chuva poderá sustentar agricultura no futuro
Falta de água atinge um terço da população mundial 20 anos antes do esperado. Estudo internacional aconselha medidas radicais para alterar uma situação que será impraticável em 2025. Medidas que passam pelo aproveitamento da água da chuva na agricultura.

Há 5 anos atrás, o último relatório de previsão sobre a gestão de água a nível global não estimava que em 2006 a falta de água afectasse um terço da população mundial. Uma situação programada apenas para 2025. De acordo com o relatório Insights from the Comprehensive Assessment of Water Management in Agriculture agora apresentado na Semana Mundial da Água e desenvolvido pelo International Water Management Institute, a situação é alarmante e são necessárias medidas radicais.

Neste sentido, os autores do estudo alertam que se nada for feito em 2050 o sector da agricultura vai precisar de duplicar a quantidade de água para produzir os alimentos que os humanos consomem. Sendo que através das acções apropriadas o crescimento total na utilização da água poder-se-á reduzir em 50% e a água nas bacias dos rios poderão estabilizar.

«É necessária mais água para aliviar a pobreza, para produzir alimentos, para as cidades e indústrias, mas retirar mais água de outros ecossistemas ameaça os sistemas que suportam a nossa vida», refere David Molden, coordenador do relatório, citado em comunicado do International Water Management Institute.

Os resultados do relatório, agora apresentado e desenvolvido por mais de 700 especialistas durante 5 anos, teve por base a avaliação das bacias de água natural em todo o mundo e indica exemplos, como a bacia de Yellow River na China que está saturada devido à exploração humana. Neste sentido, os especialistas defendem que para evitar uma catástrofe nos próximos anos a medida mais eficaz passa pelo aproveitamento e armazenamento da água da chuva para a rega de campos cultiváveis.

Uma medida que, de acordo com os especialistas, será a forma mais rápida e barata para acabar com a pobreza de muito agricultores em regiões asiáticas e africanas, para pôr fim à má nutrição em certas zonas do globo e para impedir a invasão dos habitats naturais por parte dos agricultores que procuram campos para cultivo.

Os especialistas defendem que as áreas agrícolas que podem ser ‘alimentadas’ pela água da chuva são a melhor oportunidade para fazer cobro à escassez de água nas zonas mais pobres do mundo como é o caso das savanas africanas. «As savanas africanas podem ser a casa para um grande número de pessoas mal nutridas nas zonas pobres rurais», refere Frank Rijsberman, Director Geral do International Water Management Institute (IWMI). «As pessoas estão actualmente a economizar uma vida em quintas muito marginais. Elas apresentam uma oportunidade crítica para aumentar a produtividade de água a uma grande escala. Investigação em agricultura levada a cabo por investigadores brasileiros mostra que isso é possível».

No relatório, os especialistas indicam que a gestão da água a nível mundial tem de ser diferente daquela praticada nos últimos 50 anos e que tinha por base o princípio que a água nunca acabaria. Agora, são necessárias melhorias futuras na produtividade da água a nível dos proprietários agrícolas, os quais poderão utilizar novas técnicas como ‘agricultura de conservação’ e ‘nivelamento do solo’ para melhorar a irrigação e possível cultivo de culturas resistentes à seca.

O reaproveitamento da água da chuva em vez do desperdício da mesma, como tem acontecido até agora, é para os especialistas a grande aposta para a sustentabilidade global. Os investigadores indicam que as medidas passam pela implementação de canos nos telhados, sacos de plástico tubulares que através de sarjetas transportem a água para armazenamento em grandes piscinas. Outra medida passa pela construção de diques ao longo de canais de drenagem para a rega dos campos em dias de seca.

«Se não se tem água em duas semanas na região de Sahel em África, a colheita falha e presentemente isso acontece a cada 4 a 5 anos, portanto, as pessoas não arriscam métodos de ‘alimentação’ através da chuva», refere o coordenador do projecto e adianta que «a nossa ideia é ter água de parte para um dia sem chuva, como garantia contra a seca».

Para que estas medidas sejam postas em prática, os especialistas sugerem que os responsáveis pan-africanos da New Partnership for Africa’s Development (NEPAD) - que desde há 5 anos vem desenvolvendo o ‘plano Marshall’ para modernizar tecnologicamente África com o apoio da União Africana - podem vir a assumir a sua implementação com arranque a nível continental e coordenação regional.

                                        retirado de:www.tvciencia.pt
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 13:23
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Ausência de gene proporciona ‘alegria permanente’ e põe fim à depressão
Ratos de laboratório criados sem um gene específico mostram sinais de ‘alegria’ permanente. Cientistas acreditam que a desactivação do gene TREK-1 pode ser o segredo da cura para a depressão, um estado que atinge 5% da população mundial.

Todas as pessoas já experimentaram estados de tristeza e depressão passageiros, no entanto, as estimativas indicam que a depressão patológica tem uma grande incidência na população em todo o mundo e é um estado que aparece, normalmente, associado à grande maioria dos distúrbios mentais.

«A depressão é uma doença devastadora que afecta cerca de 10% das pessoas em alguma altura das suas vidas», refere Guy Debonnel, psiquiatra no The Research Institute of the McGill University Health Centre (RI MUHC) e professor no Departamento de Psiquiatria na McGill University, no Canadá, citado em comunicado do instituto. O especialista adianta ainda que «as medicações actuais para a depressão clínica são ineficazes em um terço dos pacientes, pelo que o desenvolvimento de tratamentos alternados é tão importante».

Os cientistas sabem que a nível fisiológico, a serotonina parece desempenhar um papel relevante no surgimento e permanência dos distúrbios depressivos. A serotonina é uma hormona libertada no organismo e que surge associado ao humor, ao sono e à sexualidade. Os cientistas sabem também, que existe um gene – o TREK-1 – que está associado à transmissão da serotonina para o cérebro e que, por isso, tem uma grande influência nos estados depressivos.

Com base neste princípio, cientistas do RI MUHC e da Universidade de Nice, em França, produziram em laboratório uma nova estirpe de ratos a que retiraram o gene TREK-1 e verificaram que em pouco tempo estes ficaram mais ‘alegres’. «Os resultados realmente surpreenderam-nos», afirma o especialista e adianta que, «os nossos ratos ‘knock-out’ agiram como se tivessem sido tratados com antidepressivos há pelo menos 3 semanas».

O estudo apresentado na publicação científica Nature Neuroscience é o primeiro a demonstrar resultados que comprovam a eliminação total da depressão de um organismo através de engenharia genética. Guy Debonnel afirma que «a descoberta da ligação entre o TREK-1 e a depressão poderá em última instância levar ao desenvolvimento de uma nova geração de medicamentos antidepressivos».

O especialista explica que chegaram a conclusão que os ratos estavam ‘livres’ da depressão através de testes de medição do comportamento, electrofisiológicos e bioquímicos. Se o TREK-1 for o único gene a interferir na transmissão de serotonina para o cérebro, no futuro os especialistas podem, provavelmente, desenvolver um medicamento que iniba a sua acção e devolva um estado de felicidade e bem-estar permanente aos humanos.

Estatísticas a nível mundial revelam que 5% da população adulta sofre de depressão, sendo mais comum nas mulheres do que nos homens, no entanto, as estimativas indicam que 10% da população irá viver pelo menos um episódio de depressão ao longo da vida. Apesar de existir tratamento para esta condição, os especialistas adiantam que esta pode instalar-se de forma crónica principalmente nas mulheres.
                                 retirado de: www.tvciencia.pt
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 13:20
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Célula única dá origem a linhas de células estaminais sem danificar embrião
Cientistas norte-americanos defendem ter conseguido derivar linhas de células estaminais embrionárias humanas a partir de uma única célula e sem destruir o embrião. O resultado do estudo publicado na revista Nature pode abrir portas para a produção de tecidos humanos.

A utilização de embriões para obter linhas de células estaminais embrionárias humanas tem sido um assunto em destaque desde há vários anos e levantado grandes polémicas, quer no seio da comunidade científica, quer a nível político, ético e moral.

Na realidade, as células estaminais embrionárias têm uma impressionante capacidade de poderem dar origem a células de diferentes tecidos para o tratamento de várias patologias, no entanto, as técnicas até agora sugeridas para obter as linhas das células ‘milagrosas’ continuam a ser postas em causa, devido à possível destruição de embriões ou danificação do seu correcto desenvolvimento.

Há menos de um ano, cientistas norte-americanos do Advanced Cell Technology em Worcester, Massachusettes, EUA, apresentaram, a 12 de Janeiro de 2006 na revista científica Nature, um estudo desenvolvido em ratos de laboratório, onde demonstraram ter conseguido fazer derivar linhas de células estaminais embrionárias a partir de uma única célula e sem danificar o embrião. A grande novidade do resultado assenta numa técnica normalmente utilizada para o despiste de doenças genéticas durante o processo de Fertilização in vitro, o Diagnóstico Genético Pré-Implantação (DGPI).

Na actual edição, 24 de Agosto, da revista Nature, a mesma equipa apresenta os resultados de uma investigação desenvolvida a partir de células de 16 embriões humanos excedentários de processos de FIV que foram postas em cultura. No artigo publicado na Nature, os cientistas escrevem que, «aqui apresentamos uma série de 10 experiências diferentes de que as células estaminais embrionárias humanas podem ser derivadas a partir de um único blastómero».

Com base nos resultados da investigação, os cientistas escrevem que «90 células semelhantes embrionárias estaminais cresceram e duas linhas de células estaminais embrionárias humanas estáveis foram obtidas. As últimas linhas de células estaminais embrionárias humanas mantiveram uma proliferação uniforme por mais de 8 meses e demonstram um cariótipo (representação de um conjunto de cromossomas numa célula) normal e a expressão de marcadores de pluripotência, incluindo Oct-4, SSEA-4, TRA-1-60, TRA-1-81, nanog e fosfatase alcalina».

Através de uma biopsia semelhante à utilizada no DGPI, os cientistas acreditam que podem retirar apenas uma célula estaminal embrionária humana que derive em linhas estaminais sem danificar o embrião, já que esta técnica é normalmente utilizada e oferece poucos riscos para o desenvolvimento do mesmo.

Mas porque os riscos da técnica para os embriões mesmo que a uma escala mínima existem, o autor principal do artigo Robert Lanza, refere que isso poderá ser feito nos embriões que obrigatoriamente têm de ser submetidos ao DGPI.

Para além disso, os cientistas acreditam que «a capacidade de criar novas linhas de células estaminais e terapias sem destruir embriões poderá responder às preocupações éticas de muitos, e permitir a geração de tecidos compatíveis para crianças e recém-nascidos a partir de transferências por DGPI de embriões», escrevem no artigo, agora publicado, na Nature.
                retirado de: www.tvciencia.pt
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 13:17
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Sistema Solar sem Plutão é reduzido a 8 planetas
Plutão abandona categoria de Planeta e incorpora o novo conjunto dos ‘planetas anões’. Devido ao avanço tecnológico, International Astronomical Union redefine Sistema Solar que passa a ser constituído por 8 planetas que orbitam em redor do Sol. 

O encontro anual da International Astronomical Union (IAU) juntou cerca de 2500 astrónomos de todo o mundo em Praga, na República Checa, e decidiu hoje, 24 de Agosto, atribuir uma nova categoria a Plutão removendo-o do conjunto dos planetas clássicos e inserindo-o num novo grupo dos ‘planetas anões’ juntamente com Ceres, Caronte e 2003 UB313.

É desta forma vetada a proposta que sugeria que o Sistema Solar devia ser constituído por 12 planetas (os clássicos e os anões). Para ser qualificado como um planeta, de acordo com a nova definição, um corpo celestial tem de se encontrar em órbita de uma estrela sem que ele próprio seja uma estrela, para além disso, tem de ter massa suficiente para que a própria gravidade consiga superar forças de corpos rígidos, o que assume que tenha uma forma redonda e um vizinho perto da sua órbita.

Plutão que estava classificado desde 1930 como planeta, desde a sua descoberta pelo cientista norte-americano Clyde Tombaugh, foi excluído do grupo dos planetas clássicos devido à sua reduzida dimensão (2,360 quilómetros de diâmetro) e porque a sua órbita desviada interfere com a de Neptuno.

«Um Planeta passa a ser a definição dos corpos que estão em órbita em torno do Sol, em equilíbrio hidrostático (são aproximadamente esféricos) e ‘limparam’ a vizinhança em torno da sua órbita», explica Rosa Doran, astrónoma no Núcleo Interactivo de Astronomia (Núclio) e Professora da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e acrescenta que, «os planetas anões são semelhantes, com diferença apenas na última afirmação, ou seja, não ‘limparam’ a vizinhança (provavelmente por não terem um campo gravítico suficientemente forte para acretar toda a matéria ali existente)», para além disso, também não estão «em órbita em torno de outro corpo que não o Sol».

Há algum tempo que a classificação de Plutão, enquanto planeta clássico, vinha sendo posta em causa por muitos especialistas, fruto de descobertas de novos corpos celestiais no espaço, como a Cintura de Kuiper em 1990. Também a descoberta do 2003 UB313, que em termos de massa é maior, com 3 mil quilómetros de diâmetro, do que Plutão.

«Já era necessária uma nova classificação, mais conveniente para todos os objectos que conhecemos no Sistema Solar», afirma Rosa Doran e adianta que em relação a Plutão, «não diria que foi despromovido, mas que recebeu uma denominação mais adequada. Tem apenas a ver com o facto da evolução da tecnologia nos ter trazido novas descobertas».

A especialista acrescenta ainda que, «sabemos hoje que a região onde se encontra Plutão é uma região populada por outros corpos planetários. Alguns maiores do que Plutão. Os cientistas estão convencidos de que muitos mais serão descobertos nos próximos tempos. Daí a necessidade de se adoptar uma nomenclatura conveniente e que melhor descreva estes objectos. Portanto não é uma despromoção é receber um nome mais adequado».

Hoje, os astrónomos são já capazes de fazer uma medição dos corpos celestiais e de acompanhar o seu comportamento. A alteração da categoria de Plutão enquanto planeta é a certeza que não existem verdades absolutas. «Uma teoria científica só é verdadeira enquanto não é substituída por outra melhor, é assim que a ciência evolui. Não existem verdades absolutas, existe sim uma melhor percepção dos fenómenos, atingida com novas tecnologias ou novas teorias. Essa é a beleza da ciência ... está sempre a evoluir», afirma Rosa Doran e conclui que, «cabe a nós seres humanos termos uma mente aberta o suficiente para aceitar mudanças e ampliar o nosso conhecimento.
                            Retirado de www.tvciencia.pt
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 13:08
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Medicamento para SIDA pode prevenir cancro no útero
Medicamento oral para tratamento da SIDA mostra eficácia no combate do Vírus do Papiloma Humano, o qual é a principal causa do cancro do útero em todo o mundo. Os resultados do estudo são apresentados na publicação de Setembro do Anti-Viral Therapy.

Cientistas da Universidade de Manchester, no Reino Unido, com o apoio do Human Research Institute estão a desenvolver um medicamento tópico que combate o Vírus do Papiloma Humano (VPH) - o qual está na origem de uma das principais Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) - e evita o desenvolvimento de cancro no útero.

O medicamento, que está a ser agora transformado, para uma administração tópica é já administrado oralmente no tratamento do Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) para o combate à SIDA e tem o licenciamento e aprovação da Food and Drug Administration (FDA),a agência norte-americana que regulariza os medicamentos e alimentos.

Os resultados do estudo que demonstram a efectividade deste medicamento no combate do VPH vão ser apresentados na ‘Conferência Internacional sobre o Vírus do Papiloma Humano’, a 5 de Setembro em Praga, na Republica Checa, e publicados na edição do mesmo mês da revista científica Anti-Viral Therapy.

No estudo, os especialistas da School of Medicine’s Division of Human Development and Reprodution a trabalhar no St Mary’s Hospital em Manchester indicam que verificaram que o medicamento que age como inibidor de protease conseguiu matar selectivamente células em cultura com cancro no útero e infectadas com o VPH.

«É muito excitante encontrar esta nova e significativa utilização deste medicamento para o VIH que já está licenciado e aprovado pela FDA para administração oral», refere Ian Hampson, investigador principal do estudo, citado em comunicado da Universidade de Manchester.

O especialista acrescenta que, «estamos actualmente a explorar os meios de administrar este medicamento directamente nos tecidos afectados. Vamos depois dar seguimento a um teste clínico e se este demonstrar ser bem sucedido poderemos ver o tratamento disponível muito rapidamente».

Os cientistas indicam que já existe uma formulação líquida do medicamento que acreditam que pode funcionar por administração tópica nos tecidos afectados pelo VPH nas mulheres. Por outro lado, são já várias as vacinas que estão a ser desenvolvidas para o tratamento do VPH e algumas encontram-se em processo de licenciamento. Para além disso, a única terapia existente passa pela intervenção cirúrgica, a qual é um grande problema nos países subdesenvolvidos onde os recursos continuam a ser escassos.

Mesmo nos países onde existem condições para levar a cabo a cirurgia, esta parece ser um obstáculo em muitas situações, já que pode danificar o útero e muitas mulheres apresentam resistência à mesma. Também neste sentido, a utilização de um tópico local pode ser de grande ajuda, já que será mais prático e menos invasivo para as mulheres e poderá ser facilmente utilizado nos países subdesenvolvidos.

Relativamente ao recurso às novas vacinas, o investigador afirma que «nem todas as lesões vão ser prevenidas (através das mesmas) e nem todas a mulheres vão ser vacinadas. Uma terapia não cirúrgica terá significativas vantagens – melhor preservação da função obstétrica, o potencial para ser utilizada em cenários com poucos recursos como os países subdesenvolvidos e pode ser aplicada em mais mulheres do que a cirurgia».

Henry C. Kitchener, responsável pela Unidade hospitalar onde o estudo está a ser desenvolvido acredita que, «a importância deste resultado é que um tratamento médico simples pode ser utilizado no lugar da cirurgia a que muitas mulheres têm aversão e preservar completamente o útero», no entanto, acrescenta que «primeiro temos de demonstrar que pode ser efectivo».

As estimativas indicam que em todo o mundo o cancro do útero é o segundo tumor maligno mais comum nas mulheres, que nos países subdesenvolvidos a grande maioria das mulheres que sofre deste tumor maligno está infectada pelo VPH e só em Portugal atinge 17 em cada 1000 mulheres.
                      Retirado de www.tvciencia.pt
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 13:00
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Vacina contra a obesidade apresentada por cientistas
Vacina para perder peso sem reduzir apetite, que permite comer todo o tipo de alimentos, apresenta resultados positivos em ratos de laboratório. Um novo avanço que pode ser o início de uma futura terapia contra a obesidade nos humanos. 

Para muitas pessoas será um sonho tornado realidade. Poder ingerir todo o tipo de alimentos sem acumular gordura e calorias apenas através do ‘poder’ de uma vacina, ou seja, receber imunização contra o excesso de peso. Esta é a sugestão de cientistas do Scripps Research Institute em Jolla, na Califórnia, apresentada na edição de 4 de Agosto da publicação científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

Hoje em dia, o excesso de peso já não é apenas um problema estético devido a ‘gorduras acumuladas’, mas principalmente uma questão de saúde pública, já que a obesidade transformou-se numa epidemia nos países desenvolvidos que se começa a alastrar por todo o mundo.

«A obesidade põe em perigo milhões de vidas de pessoas em todo o mundo, através de co-morbilidades como doença cardíaca, cancro, diabetes tipo 2, Acidente Vascular Cerebral (AVC), artrite e depressão», escrevem os cientistas no artigo publicado no PNAS e adiantam que por estas razões, «novos avanços para controlo do peso corporal continuam a ser uma grande prioridade».

O segredo da vacina, desenvolvida pelos cientistas norte-americanos, assenta no controlo de uma substância existente no organismo, normalmente denominada pela ‘hormona esfomeada’ que desempenha um papel essencial no controlo do metabolismo dos alimentos, na regulação do apetite e no peso corporal.

O estudo foi desenvolvido em ratos de laboratório e apesar dos bons resultados, os cientistas alertam que até as vacinas serem testadas clinicamente nos humanos e os seus benefícios confirmados, há ainda um longo caminho a percorrer. No entanto, escrevem que «as metodologias que podem especificamente modular a bio disponibilidade de uma molécula endógena, que regula o equilíbrio energético, pode fornecer uma nova base para tratar a obesidade».

Grelina ou ‘hormona esfomeada’ é uma substância secretada pelo estômago e que fica activa no organismo antes de uma refeição. Já há algum tempo que os cientistas sabem que esta hormona impede que o organismo queime calorias e destrua as gorduras, ajudando a promover o armazenamento das mesmas e a acumulação de peso.

Na investigação agora levada a cabo, cujos resultados estão publicados no PNAS, os cientistas desenvolveram três tipos de antigenes, ou proteínas de reconhecimento, para diminuir a acção da grelina ao provocar uma resposta do sistema imune nos animais.

No artigo do PNAS, os especialistas escrevem que «aqui demonstramos que a vacinação activa de ratos maturos com grelina imunoconjugada diminui a eficiência dos alimentos, a adiposidade relativa e ganho de peso corporal em relação à resposta imune extraída contra a grelina na sua forma activa e acilada».

Um dos resultados do estudo que mais surpreendeu os cientistas foi o facto dos animais terem apresentado uma diminuição do peso e da acumulação de gordura mas terem mantido o mesmo apetite, o que leva os cientistas a acreditar que as vacinas actuaram ao nível do metabolismo mas não da vontade de comer.

«A relação dos níveis de grelina no cérebro/soro foi menor nos ratos com fortes respostas imunes anti-grelina. Os efeitos não foram atribuídos a respostas inflamatórias não especificadas», indicam os especialistas e afirmam que «a vacinação contra a hormona endógena grelina pode diminuir o peso em ratos ao diminuir a eficiência da alimentação».

Os especialistas referem que com base nos dados obtidos o próximo passo é testar as vacinas noutro tipo de animais e caso os resultados sejam benéficos poderem passam a testes clínicos em humanos. No entanto, dizem estar conscientes do facto do corpo humano ser muito mais complexo do que o corpo dos restantes animais.
                                              Ver noticia em www.tvciencia.pt
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 12:48
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
um mail com 30 Gb de memória free!
Para já ainda é de graça!
Penso que a "promoção" se mantenha até ao fim de este mês!
o endereço é: http://www.30gigs.com
Enjoy :)
Estou: com sorte!...
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 12:44
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Quinta-feira, 24 de Agosto de 2006
Apple recolhe 1,8 milhões baterias da Sony
A Apple Computer está a recolher 1,8 milhões de baterias Sony utilizadas nos seus «notebooks» Macintosh, depois de algumas unidades defeituosas terem provocado alguns danos físicos aos utilizadores. Esta decisão surge uma semana depois de a Dell ter iniciado uma recolha de 4,1 milhões de baterias, pelas mesmas razões.
As baterias são as usadas nos Mac iBooks e PowerBooks vendidos entre Outubro de 2003 e Agosto de 2006, anunciou hoje a Comissão norte-americana para a Segurança dos Produtos no Consumidor.
(...)
«As baterias podem incendiar-se e queremos que os consumidores levem muito a sério esta recolha», afirmou um porta-voz daquela Comissão, Scott Wolfson. «Queremos que retirem imediamente as baterias dos seus computadores», acrescentou.
Registaram-se já nove acidentes de sobreaquecimento de baterias, dois deles causando algumas queimaduras de baixo grau aos utilizadores de Mac, afirmou Wolfson numa entrevista, citado pela Bloomberg.
Esta recolha ocorre numa altura em que a Apple está a registar o seu mais elevado volume de vendas de Mac em cinco anos, devido à procura de modelos mais rápidos colocados no mercado este ano.
para ler o artigo na integra: http://www.negocios.pt/default.asp?CpContentId=281165
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 22:21
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Sorteio da Champions
O FCP é o 1º club português a ser sorteado. Está no Grupo G cujos adversários são: CSKA Moscovo e Hamburgo. Arsenal é o cabeça de série.
O SCP é o 2º club português a ser sorteado. Está no Grupo B cujos adversários são: Bayern de Munique e Spartak de Moscovo. E o cabeça de série:Inter de Milão.
O SLB é o 3º club português a ser sorteado. Está no Grupo F cujos adversários são: Celtic e Covenhav(dinamarques) e o cabeça de série: Manc. United.
Chelsea está no grupo do Barcelona. Querrerá dizer isto alguma coisa?
DECO O MELHOR JOGADOR DE MEIO CAMPO DA CHAMPIONS!!!!!!
O melhor jogador da Champios é: é o Ronaldinho!
Para mais informação: http://www.abola.pt/nnh/index.asp?op=ver&noticia=107220&d=1&tema=2
Estou: Xeia deEsperança! No GLORIOSO!
Pra identificar:
gatafunhado por gringa às 17:23
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Desiludida...
então... e não é k não dá para por fotos nos posts? Como é que é possivel. Pensei k desse nem k fosse apartir de url´s..... :(
gatafunhado por gringa às 14:35
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
O primeiro de muitos!
..Espero gostar deste servidor ;)Vou continuar na mesma linha de seguimento dos meus dois primeiros blogs.
gatafunhado por gringa às 14:30
vê onde tá | diz qualquer coisa | favorito
Mexe-te - O Eu

Mexe-te - quem sou?

Mexe-te - seguir perfil

Mexe-te - prokura por aki
 
Mexe-te - Agosto 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31
Mexe-te - antiguidades

Mexe-te - Agosto 2007

Mexe-te - Janeiro 2007

Mexe-te - Dezembro 2006

Mexe-te - Outubro 2006

Mexe-te - Setembro 2006

Mexe-te - Agosto 2006

Mexe-te - Pra identificar

Mexe-te - "Tecnológiquices"

Mexe-te - A Ciência e a Vida

Mexe-te - a ciência e a vida

Mexe-te - actualidade

Mexe-te - Educação

Mexe-te - todas as tags

Mexe-te - Ligações
Mexe-te - os mais recentes

Mexe-te - Ilusão simula experiência...

Mexe-te - Terá uma seca a nível mun...

Mexe-te - Duas espécies tornam-se u...

Mexe-te - Alterações climáticas est...

Mexe-te - Golos geram golos!

Mexe-te - Florescimentos de plâncto...

Mexe-te - Tumores cerebrais atacam ...

Mexe-te - Dieta rica em leite pode ...

Mexe-te - Relatório chama a atenção...

Mexe-te - Serão as experiências de ...

Mexe-te - Um comprimido para combat...

Mexe-te - Terá a Terra semeado Vida...

Mexe-te - Ter-se-ão os Homens moder...

Mexe-te - Terá sido inevitável o su...

Mexe-te - Algodão sem toxinas pode ...

Mexe-te - Químico dá novo alento ao...

Mexe-te - Pequenos animais levitado...

Mexe-te - Aumento do oxigénio antec...

Mexe-te - Descoberta brilhante na p...

Mexe-te - Mutação pode eliminar dor

Mexe-te - Nascimentos virgens de dr...

Mexe-te - O mamífero que cheira deb...

Mexe-te - Sensores inerciais inteli...

Mexe-te - Teletransporte de informa...

Mexe-te - Programa de computador po...

Mexe-te - Telemóveis e portáteis co...

Mexe-te - OCDE: Profunda reforma no...

Mexe-te - NASA leva público a viaja...

Mexe-te - Identificado novo gene qu...

Mexe-te - Proteína hereditária que ...

Mexe-te - Mulheres precisam duas ve...

Mexe-te - Chuva em excesso pode des...

Mexe-te - Telemóveis podem ter impa...

Mexe-te - Possibilidade de existênc...

Mexe-te - Genes não codificados pod...

Mexe-te - Terapia Hormonal pós-meno...

Mexe-te - Vírus geneticamente modif...

Mexe-te - Transplante de células re...

Mexe-te - Homem moderno transporta ...

Mexe-te - Substância descoberta na ...

Mexe-te - Feixes de radiação por an...

Mexe-te - Sequenciação de ADN de Ne...

Mexe-te - Variações no genoma human...

Mexe-te - Identificada possível ori...

Mexe-te - Cancro é a segunda causa ...

Mexe-te - Neandertais e Homem Moder...

Mexe-te - Abandonar consumo de taba...

Mexe-te - Odor pode funcionar como ...

Mexe-te - Sistema nervoso de caracó...

Mexe-te - União Europeia financia v...

Mexe-te - subscrever feeds